Ronize

  (48) 99860 0302  (48) 3228 0550

  (48) 3228 0550

  (48) 99860 0302

Essa criança é impossível? O Grande Segredo – limites

Algumas vezes vemos crianças fazendo escândalos ou se comportando mal em locais públicos e seus pais sem saber como agir.

Essas crianças são julgadas injustamente como “hiperativas”, mal educadas ou chatas, porém na maioria das vezes o que lhes falta é limites, elas não sabem como lidar com as pessoas e com as situações porque não tiveram a oportunidade de aprender tal habilidade, pelo contrário, os pais, lógico, querendo acertar, pois amam e querem o melhor para seus filhos, acabam ficando perdidos quando o assunto é limites.

Ainda não sabemos porque algumas crianças vem ao mundo com uma personalidade mais complexa, partindo deste pondo quero deixar claro que isto está longe de significar que os pais tem culpa no mau comportamento de seu filho, significa apenas que o papai e a mamãe podem ter um papel fundamental na mudança e na prevenção desta atitude.

É fácil encontrar pais que dizem não para quase tudo que o filho solicita, o resultado disto é que não conseguem manter este não, fazendo com que a criança aprenda que o não do seu pai ou da sua mãe transforma-se em sim dependendo do seu comportamento. Assim a criança vai aprendendo comportamentos do tipo: “quando eu grito transformo o não da mamãe em sim.”… E aí o caos tá formado… a criança cresce com essa idéia e os desejos e as reações de um adolescente são bem mais difíceis de administrar, ele pode querer por exemplo ir a um lugar que você não acha adequado ou dirigir o carro da família sem ter habilitação e aí o que fazer se ele aprendeu que seu não vira sim quando grita ou fica agressivo?

Por outro lado há pais extremamente permissivos, os filhos destes pais viverão achando que podem fazer qualquer coisa em qualquer lugar, prejudicando então o seu convívio social.

As crianças que não têm limites correm o risco de se transformar em adultos inseguros, pois o limite é à base da segurança.

Os pais que não colocam limites de forma adequada terão filhos que aprenderão esses limites de maneira mais dolorida, pois aprenderão com outras pessoas, ou seja, sem o afeto de pai e de mãe e com as adversidades da vida.

É válido ressaltar que a criança que não tem limites, não sabe lidar com frustração, é aquela criança que não sabe perder num jogo ou aquele adolescente que perde o amor pela vida ao reprovar no vestibular ou não ter uma paixão correspondida, é a pessoa que não lida adequadamente com as adversidades da vida.

O grande segredo para ensinar seu filho a ter limites e assim conviver bem com ele é: “Dizer SIM SEMPRE que possível e NÃO APENAS quando necessário”, ou seja, muitos “sins” e poucos “nãos”, para que você não corra o risco de transformar o seu não em sim.

E aí você pode me perguntar: E quando falo não então, se é para dizer sim para quase tudo? Basicamente você deve ter como regra falar não apenas quando algo prejudicar a criança ou alguém.

Fale sempre para seus filhos frases do tipo: “nós não fazemos só o que queremos ou o que gostamos” e “o não da mamãe não se transforma em sim…” – assim, pense muito bem antes de falar o não, pois ele não pode virar sim, a sua palavra tem que ser sempre única e verdadeira.

Esta forma de agir com os filhos requer atenção, paciência e muito amor. Ela deve ser sempre repetida, sua maneira de agir não poderá ser uma hoje e outra amanhã, se não a criança ficará perdida.
Tenha sempre em mente que educação é repetição, rotina e afeto! E isso requer muita paciência, carinho e tempo.

É importante também você mostrar para a criança que a compreendeu que entendeu o que ela quer, então quando ela estiver chorando ou gritando por querer algo impossível naquele momento, fale:
eu sei você quer tal coisa, repita apenas isso e quando ela se acalmar explique de forma clara e curta porque ela não pode aquela tal coisa. Quando a criança sente que foi compreendida ela se tranqüiliza rapidamente.

E lembre-se: o melhor remédio emocional para as crianças são pais que brincam com os filhos com freqüência. Não importa o tempo que você consiga brincar o que importa aqui é a freqüência: ou seja, brinque com seus filhos todos os dias nem que seja por vinte minutos.

Se você tiver dificuldades em ensinar limites para seu filho ou se ele apresentar este comportamento na escola ou em outros ambientes, procure a orientação e a avaliação de um psicólogo, a fim de buscar outras orientações, causas e tratamento.

Psicóloga Ronize Patrícia Silva Ferreira

CRP 12/02648
× Como posso te ajudar?